Tutor é Professor

Get Adobe Flash player

Blog
Twitter

FacebookTwitterGoogle+Compartilhar
Esta entrada foi publicada em EaD. Adicione o link permanenteaos seus favoritos.

34 respostas a Tutor é Professor

  1. Regilson disse:

    Embora em EAD, a atividade docente seja intitulada Tutoria, sabemos que fazemos tanto quanto os professores presenciais, não nos resumindo apenas a uma ferramenta ou tecnologia da EAD. Nossas atividades vão desde a mediação da aprendizagem até o incentivo à reflexão. A diferenção entre tutor e professor está no profissional. Aqueles que se conformam a essa condição, servindo apenas de elo entre a instituição e o discente permanecerão tutores, mas a maioria de nós, que nos preocupamos com uma educação de qualidade e com a formação de cidadãos e não apenas alunos que tirarão notas boas, somos realmente professores. Assim ser professor ou tutor é uma questão de opção. Não é a modalidade de ensino que demarca essa condição. Há professores que agem como tutores e há tutores que são verdadeiros educadores. Ser professor é um estado de espírito, uma vocação, um doa-se ao próximo.

    • Eu acredito que ser professor é ter espírito e talento para ensinar, qualquer coisa, desde disciplinas extremamente importantes para cursos superiores até instrutores de paraquedismo, o importante é ter a vontade e a didática de ensinar ao próximo o conteúdo a ser dado. Na EAD o conteúdo está disponivel no ambiente virtual, então resta ao tutor orientar, fazer com que os alunos reflitam sobre tal conteúdo e avaliar o desempenho desses alunos. Qual é a diferença? A distância e os meios de comunicação, só! Então sob meu ponto de vista, tutor é professor sim. E deve ser remunerado como tal, a responsabilidade é a mesma, a relação de confiança também. Abraço.

  2. Ola Regilson e demais colegas.
    Deixem-me trabalhar a colocação do Regilson “ssim ser professor ou tutor é uma questão de opção”. Esta colocação é valida no contexto em que a insituição de ensino deturpou, desconfigurou, molestou, maltratou, estrupou o papel do tutor.
    Em um contexto educacional sério não vejo diferença entre o professor e o tutor, a própria evolução conceitual destes dois termso se confunde ao longo da história. Nossa cultura educacional voltada para o capital esta transformando Aristoteles em um bedel (nada contra este profissional responsavel pelo lado de fora da sala de aula).

  3. Olá Colegas, embora não tenha ainda atuado como tutora, acompanho bem de perto a questão. Penso que a instituição tem sua parte de responsbilidade, ao passo que deve ter cuidado ao contratar docentes para a tutoria: buscar por professores bem formados e preparados para a EAD.
    Neste sentido, a formação deste professor deve ter aderência com o curso em que fará tutoria, assim como deve ser capaz de lidar com a variedade de conhecimento da área, para de fato ser capaz de desempenhar bem o papel.
    Aqui podemos diferenciar o tutor do professor: um é generalista e outro é especialista. Ambos importantes para a educação.
    Muitas são as notícias de instituições que atribuem tutoria a professores sem qualidade (por isso mesmo, sujeitos a remunerações inferiores).
    Isto certamente reduz a valorização da tutoria para os professores que estão preocupados com a carreira e, consequentemente, do curso que estão tutoriando.
    Atualmente faço uma pós de Metodologias e Gestão para EAD, e até o momento estou muito satisfeita com as tutoras que têm conduzido as disciplinas.
    São preparadas para a EAD e para o curso, são tituladas, sabem estimular o grupo para os estudos e prestigiam o rigor das atividades.
    Eu percebo a aprendizagem, eu me sinto cursando uma pós, por fim: para mim, elas são minhas professoras.
    Abraços,

    • Janete A Partelli Ruzza disse:

      Concordo com vc.
      Porém, a ineficiência de sua atuação poderá provovar a evasão no decorrer do processo, uma vez que os alunos são autonomos em suas aprendizagens.

  4. T disse:

    Caro Regilson, creio eu que não se trata de uma questão de opção!
    Opção eh para os descompromissados com a Educação!

    Opção foi para o MEC, dizem os hierarquicamente mais acima , pois sabem das falhas e ouvi a seguinte frase em Manaus

    Opção eh ganhar um minimo de $ 600 reais e pelo pouco de que se trata, levar a frente a tutoria só para não perder o tal valor acima!

    Opção foi para as Universidades que não souberam, ao acreditar no programa, que os professores das universidades já contam com as 40hs e quebram o galho da EaD, sem nenhuma dor na consciência de que do outro lado se encontram colegas e alunos!

    O nome , tutor esta equivocado, no seu uso brasileiro, o tutor creio eu eh ate mais do que um professor de uma unica disciplina, um tutor acompanha todo o processo, a não ser que desista e ESSA eh uma opção e que também creio eu que possibilita um mau posicionamento da pessoa perante uma nova metodologia que não eh para qualquer um!

    • Janete A Partelli Ruzza disse:

      Ola a todos!
      Também sou aluna no curso Metodologia e Gestão para EaD e peço licença pra entrar nesta conversa. Tutor? Professor?
      Como elemento central, na mediação do processo ensino-aprendizagem, considero o papel tanto do tutor, como do professor, como um guia, um porto seguro. Na perspectiva tradicional professor era o que ensinava. Pensava-se desta forma quando “ensinar” era sinônimo de transmitir informações.
      E neste novo modelo de ensino onde é fundamental a presença de um tutor, seu papel é de orientador. Ou seja, penso que um bom docente será sempre um bom tutor no ambiente virtual, considerando também que o seu papel é o de garantir que o processo educativo ocorra entre os alunos. Concluo que hoje são apenas nomenclaturas, não consigo ver um tutor sem características e responsabilidades de um professor na questão da mediação dos conceitos e conteúdos, pois, a aprendizagem é construída por cada um transformando-as em conhecimentos ou não.

      • Janete A Partelli Ruzza disse:

        …E neste novo modelo de ensino onde é fundamental a presença de um tutor, seu papel é de orientador. Ou seja, penso que um bom docente será sempre um bom tutor no ambiente virtual…E nem todo bom professor terá competêcia para ser um bom tutor.
        Para tutor exige-se no perfil dominio de muitas habilidades.

      • T disse:

        concordo em parte Janete, a sua posição esta clara, mas qdo discutimos se tutor eh professor discutimos com base em questões trabalhistas, nas leis que se fazem, nos programas que se criam, vai alem do significante e significado, ou abrange, vai alem do etimologia! Nao ir a fundo em um problema que acolhe tantas pessoas e que aborda a educação brasileira e discutir as aparências das coisas isso é superfície. Por favor qual o curso de orientador que existe, qual o valor que ele recebe, e quantos ele orienta, ele tem liberdade de criar, ou somente seguir, ele deve defender um aluno e quem o defende, ele deve valorizar o ato pedagógico e quem defende o seus atos.. quero uma Pos graduação em orientação, ando desorientada de tudo!
        Sabe, ando a refletir que este embate pode ser o cultivo inicial de algo que esta embrionário! se se repetem demasiadamente sobre a aprendizagem esta inserida no aluno, construída por ele
        ficamos a acreditar que não eh só por conta dos poucos ganhos de um professor que os cursos de pedagogia estão vazios, não só, mas também os de Licenciatura.
        Mas isso eh outra historia, nada como Estorias ( com E mesmo)
        beijinho, por favor foi unicamente uma escrita, bye

  5. Mari disse:

    No curso de Pedagogia, para ser tutor, um dos requisitos é que seja pedagogo, ou seja, professor. Neste caso entendo que ser tutor é ser professor e como diz a Janete: “[...] um bom docente será sempre um bom tutor no ambiente virtual”.

  6. Elenice Alves da Silva disse:

    Concordo que tutor é professor pois para ser tutor ele precisa ter, pelo menos a formação acadêmica equiparada ao curso que ele vai acompanhar. Ele precisa ter o minimo de conhecimento nas disciplinas que serão ministradas naquele curso para poder auxiliar os alunos nas atividades.

  7. Entendo que a tutoria e ou mediação, deva ser objeto de grande atençao no atual estágio em que se encontra o Ensino a Distância, em face de abundância em tecnologia. Conceitualmente na
    EaD, tem-se que o tutor é um guia, um orientador que apoia os estudos e
    pesquisas dos discentes, já o saber básico do professor sustenta-se no
    conhecimento pedagógico, curricular, conteudista, assuntos diversos no contexto
    educacional bem como da sua aplicabilidade.

    Sou tutor ha quase três anos na Anhanguera Educacional, assumi uma das turma desde o inicio do curso, portanto, hoje no 6ª. semestre. No processo adotado pela Anhaguera, a presencialidade
    ocorre duas vezes por semana, e nesses encontros, preciso estar tão bem
    preparado quando o professor conteudista ou autor, uma vez que nossos alunos
    não possuindo autonomia suficiente ficariam a mercê da propria sorte, até por
    conta da cultura arraigada do ensino
    presencial, neste caso, mais do que estímulos verbais para que estudem é
    preciso por as mãos na massa e fazer junto.

    Logo, mesmo ciente de que a função como tutor não é o ensino com todos os seus predicados implícitos no ofício de professor, preciso invariavelmente sentar-me com os alunos e
    discurtir o assunto mostrando-lhes “o caminho das pedras”, só que
    para isso acontecer preciso ter pleno
    conhecimento do assunto, o que me remete as atribuições básicas de um
    professor de fato e de direito. Ora, então que tenha esses tais conhecimentos! Dirá
    alguém inadvertidamente.

    Existem grades curriculares no curso de Bacharel em Administração com mais de 40 diferentes disciplinas, terá o tutor presencial domínio total sobre cada uma delas? Claro que não! Mas,
    como tutor, tenho pavor só de pensar em entrar na sala de aula sem o domínio do
    assunto (e isso as vezes acontece). Talvez seja o caso das instituições
    formarem tutores com “cabeça de tutor” (mas, acho que não funcionaria), pois, a
    minha e de tantos outros colegas é “cabeça de professor mesmo” e como tal
    estamos expostos a essa dinãmica em constante polvorosa da EaD.

    Finalizando, cada vez mais me conscientizo de que nossa maior missão enquanto tutores, é ajudar no desenvolvimento dos alunos quanto a sua capacidade de autonomia, mas, para isso
    é preciso mais do que nunca manter a mente, corpo e alma na docência. Tal qual
    “professor conteudista”, “professor mediador a distancia”, nós outros cá na ponta,
    sejamos reconhecidademente envolvidos “PROFESSOR
    TUTOR LOCAL”. Todos juntos em prol de uma organização autopoiética.

  8. Daniela disse:

    Para ser um bom tutor e poder auxiliar os alunos durante o curso é necessário realmente um conhecimento da área onde se está atuando.
    Pois os alunos apresentam muitas dúvidas e de primeiro momento recorrem ao tutor para auxiliá-los em trabalhos em grupos, individuais etc.
    O curso de pedagogia exige muita experiência por parte do tutor, e acredito que os outros cursos também, portanto o tutor também sempre deve estar preparado para cada aula que é apresentada.

  9. Viviani disse:

    Acredito que o papel do tutor perante os alunos é de grande estímulo para o cumprimento da metodologia EaD, visto que boa parte dos alunos que iniciam um curso nesta modalidade não possuem a exata noção do quanto o sucesso depende do comprometimento com suas atividades e objetivos, sendo em minha opinião o ponto chave onde o tutor deve atuar, estimulando com conhecimento e criatividade os alunos pela busca contínua de aprendizado.

  10. Carlos Veiga disse:

    Ao meu ver, Tutor e Professor, hoje, têm a mesma função: orientar e transmitir conhecimento. Não vejo diferença entre um Tutor (orientador à distância) ou um Docente (professor de sala de aula). Com ambos posso tirar minhas dúvidas, apresentar meus questionamentos e pedir auxílio nos assuntos pertinentes à disciplina. Na prática, não vejo diferença entre ambos – sou aluno e professor, e, apesar dos ambientes virtual e presencial serem diferentes – creio que o aprendizado se dá da mesma forma.

  11. Marcos Fernando Vella disse:

    Concordo com o professor Carlos Veiga apesar dos ambientres serem diferentes o que vai refletir em um bom aproveitamento dos estudos é o empenho do aluno , a dedicação e sua disciplina na hora de organizar o seu tempo de estudo.

  12. Rosana disse:

    Acredito que se estiver comprometido com a aprendizagem do aluno é professor sim, pois sabemos que existem professores cuja prática não condiz com o título que possui. Dessa forma, concordo com o Regilson que não é a modalidade de ensino que determina essa condição, mas sim uma questão de opção.

  13. Nivaldo C. Barbosa disse:

    Em minha opinião o tutor também á professor sendo que maioria do tempo ele trabalha como um facilitador no aprendizado, mas se surge algum questionamento feito por parte dos alunos o tutor tem de ser professor para não deixar os alunos e dúvidas.

  14. Jociel Denardi disse:

    Para mim, o importante é ser educador, o título se sera Tutor ou Professor, o reconhecimento vem principalmente dos alunos. Temos que dar nosso melhor, pois somente assim a educação poderá evoluir ainda mais e com a qualidade que precisa ter.

  15. Ola pessoas,
    A discussão está muito interessante…e creio que há muitas nuances presentes nos comentários:
    O significado das palavras ou o conceito?
    O título ou o significado?
    A função em si ou (des) valorização de cada uma?
    Não é uma discussão simples, nem superficial…mas deve ser levada, principalmente se o que está por trás em muitos casos é o valor e a qualidade da educação como um todo.
    Concordo com os que colocaram que tanto professores quanto os tutores tem uma grande responsabilidade que devem assumir em sala de aula ou no AVA, e devem estar cada vez mais bem preparados para extrapolar os conteúdos/informações e provocar questionamentos e reflexões. Por outro lado, entendo que os papéis mudam um pouco no sentido de que o tutor deve dar suporte ao desenvolvimento de atividades, como uma continuidade da aula e não “dar aula”. Deve conhecer o conteúdo sim a ponto de sustentar uma discussão, mas penso que deva buscar mais o elo com a aplicação das teorias aprendidas em aula.
    O que pensam sobre isso?

    • João Mattar disse:

      Josiane, no fundo não “damos” aula em EaD, no mesmo sentido do que no presencial. O que eu defendo é que não podemos separar tão drasticamente as funções de dar aulas e dar apoio aos alunos em EaD.

  16. Queridos colegas, acho oportuníssima esta questão sobre “Tutor é professor” não só no âmbito laboral, cotidiano, mas também na legislação vigente.
    No atual contexto social estamos familiarizado com o professor sendo o detentor da informação, o mestre e, o aluno, o receptor. Esta dinâmica ainda é muito empregada e é de dificil desassimilação por parte dos alunos, principalmente.
    Minha experiência como tutora já me levou a crer que a presença em sala de aula é importantíssima, por este paradigma. Mas os alunos nos vêem como tutores? Não!!! Quando formarem se lembrarão dos professores EAD ou do tutor que semanalmente os auxiliou? Acredito humildemente que do tutor.
    Então, para mim a diferença está na confecção do material por parte do professor EAD e de suas exigências de titulação. Porém, a aula dele, no nosso caso na Anhanguera, via satélite, precisa ser atraente.
    Nós tutores precisamos estudar o tema com antecedência, saber responder os questionamentos em sala de aula e para isto, precisamos de didática.

    Abraços

  17. Lívia Lya disse:

    Acredito eu que a partir do momento que trabalhamos com o intuito de ensinar ou capacitar independente da metodologia utilizada é um professor. No nosso caso tutor a distância nós acompanhamos os alunos às vezes até mais do que um professor que entra na sala uma vez por semana durante duas horas e lenciona um conteúdo e o aluno só vai ter o contato novamente com esse professor na outra semana. Nós estamos presentes diariamente com o aluno, solucionando as dúvidas, orientando as atividades, enfim acompanhando o aluno no seu aprendizado.

    • Luciana Carvalho disse:

      Aquele que tem o dom de professor, será professor em qualquer situação, gosta de repartir conhecimento, gosta de apresentar o conteúdo ao aluno e incentivá-lo a aprofundar, instiga a pesquisa. Portanto, se delegam a função de tutor a um professor, impossível que este não fará fazer valer o dom de sua formação.

  18. cristina disse:

    Sou professora tutora curso semi presencial a 1ano 1/2, confesso que adoro essa relação de interagir que há entre o professor e aluno. Será que há alguma diferença entre ser professor presencial ou não presencial? Sendo que, estamos até mais presente com o aluno por dar toda a assessoria que ele necessita através de e-mail diariamente , facilitando assim seu aprendizado!

  19. A tutoria é uma função e uma competência do professor. Mesmo em cursos e instituições que o tutor tem um contrato como uma função administrativa, a descrição das suas atividades, a forma como relaciona com os alunos e à formação e competências exigidas são de professores. Parece apenas uma estratégia de burlar a legislação trabalhista.

  20. Sheila disse:

    Parece que nesse novo modelo de educação seremos, ainda, os “redentores” do país, agora não mais com um giz na mão. Um especialista em EAD pontuou as qualidades necessárias a um “professor do futuro” (tutor): capacidade de trabalhar em equipe; domínio de idiomas e de informática; autodidatismo, reciclagens periódicas; atualização permanente; cidadania e responsabilidade social, habilidade em tomada de decisão; capacidade de aprender a aprender; capacidade de associação de idéias, liderança; visão de conjunto. Fiquei pensando quanto custaria a capacitação desse profissional… e depois, quanto ele ganharia.
    Espero chegarmos logo a um consenso quanto à denominação tutor ou professor, assim poderemos nos ocupar de outros temas, também importantes. Ao fazer um balanço da situação da educação na atualidade o mesmo especialista afirmou: “Infelizmente todos esses avanços tecnológicos continuarão privilegiando uma parte da população brasileira (…) Numa sociedade desigual não se pode esperar só da escola a igualdade.”
    Não é minha intenção discutir essas colocações de Moran, estou ciente da sua complexidade. Mas uma coisa leva a outra e comecei a pensar… como todo esse avanço tecnológico possibilitará uma educação proativa e emancipadora e, principalmente, qual o nosso papel, professores ou tutores, nesse processo. Ou teremos que pensar uma nova definição para educação?
    Cordialmente,

  21. Sueldes Araújo disse:

    Prezado Joao Mattar,

    Não vejo por essa perspectiva. O meu entendimento é que tudo vai depender da concepção de tutoria concebida pela instituição formadora. E isso não depende de opção: ser ou não ser tutor/professor. Iisso é definido pelo valor salarial que se paga ao tutor. O professor de ensino superior que se sente preparado para docência, nesse nível de ensino, não se submete a receber salários irrisórios. A consequência disso são tutores com pouco experiência na docência do ensino superior exercendo papel de professor. Sinceramente, não sei se iremos superar essa discussão, porque de outra forma, os cursos de EAD, sairão muito mais caros do que aqueles ditos presenciais. Para refletirmos juntos.

  22. João Mattar disse:

    Ontem assisti a uma palestra do Hélio Chaves, em SEED/MEC, que disse que não podemos pensar em EaD como algo mais barato que o ensino presencial.

  23. Edilaine disse:

    Boa tarde,

    Na empresa em que eu trabalho há professores registrados como professores e que exercem a função de tutor e há tutores que realizam o mesmo trabalho e só são tutores.
    Uma das situações desagradáveis dessa diferenciação de cargo é que os professores recebem melhor salário e são lembrados no dia dos professores ou, ainda, são priorizados em muitas atividades – como entrega de cestas de natal, participação em eventos.
    Nós como tutores, nós sentimos bastante discriminados com essas situações, pois apesar de trabalharmos como verdadeiros educadores sentimos preconceito por parte da diretoria. Acredito que deveria haver uma uniformização do termo para professor tutor e não só tutor.

  24. Olá!
    O tema em questão é muito interessante e os posicionamentos foram muito bem colocados nas discussões que acompanhei neste debate!
    Sou Tutora Presencial e, também, sou aluna no curso Metodologia e Gestão para EaD.
    Tutor? Professor?
    Quero compartilhar a experiência que tenho em sala com alunos calouros! No primeiro momento os alunos chegam tímidos e até receosos, pois estão acostumados com o ensino presencial, então no primeiro momento tudo é novidade! Em principio chamam-me de TUTORA, depois eles percebem que a tutoria vai além do que eles imaginavam e não demoram a chamar-me de PROFESSORA.
    Concordo que tutor é professor, pois têm a mesma função: orientar e transmitir conhecimento. Para ser tutor é necessário ter, no mínimo, a formação acadêmica equiparada ao curso que ele irá acompanhar. E precisa ter de conhecimento nas disciplinas que serão ministradas naquele curso para poder auxiliar os alunos nas atividades. Deve conhecer o conteúdo para sustentar uma discussão com segurança. E ainda é necessário ter didática!

    • Volúsia Menezes disse:

      Concordo com você, Ana Lúcia quando fazes referência aos domínios que um tutor precisa ter para desempenhar tal função, as mesmas do docente! E além de todos estes requisitos: didática, conhecimento na área do curso ministrado, tanto das disciplinas quanto da normatização etc, é imprescindível a parte pedagógica para um correto repasse das atividades propostas e argumentação na correção destas. E vale ressaltar ainda as orientações quanto as (para muitos,novas) ferramentas tecnológicas .Tutor é Professor!

  25. Bom dia: Gosto muito desta forma de aprendizado, inicio mais um curso EAD, sempre tratei os meus Tutores por PROFESSOR, título que acho merecido, sou muito grato, estou muito satisfeito.
    Jaide Braz.

  26. Bom dia: Acredito sim que tutor é professor, o método de ensino podem ser diferente, exigindo maior empenho do aluno e dedicação, por parte do tutor também exige mais, a aprendizagem é avaliada de forma constante e feedback entre os envolvidos neste processo serve como método de avaliação e aprendizado.
    Jaide Braz.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>