Apresentação de Tabelas em Trabalhos Acadêmicos

Na NBR 14724, a norma da ABNT para apresentação de Trabalhos Acadêmicos, tabela é definida como “forma não discursiva de apresentar informações das quais o dado numérico se destaca como informação
central.” (p. 4). Em outro momento, a norma afirma que tabelas “Devem ser citadas no texto, inseridas o mais próximo possível do trecho a que se referem [...].” (p. 11).

As normas da ABNT indicam que a elaboração de tabelas em trabalhos acadêmicos deve seguir as orientações da seguinte publicação:

IBGE. Normas de apresentação tabular. 3. ed. Rio de Janeiro, 1993.

Segundo o IBGE, a informação central de uma tabela deve ser o dado numérico, e todos os outros elementos que a compõem devem ter a função de complementá-lo e explicá-lo. Caso isso não ocorra, então você não elaborou uma tabela, mas um quadro ou outra coisa qualquer.

Tabelas devem ser precedidas ou seguidas de uma análise, ou seja, não devem aparecer soltas em um trabalho científico (nesses casos, podem ser inseridas em anexos ou apêndices).

Toda tabela deve ter moldura, sem traços verticais que a delimitem à esquerda e à direita, e com no mínimo 3 espaços horizontais para estruturar os dados numéricos, separando o topo, o cabeçalho e o rodapé.

Toda tabela deve ter título, inscrito no topo, para indicar a natureza e as abrangências geográfica e temporal dos dados numéricos, sem abreviações, por extenso e de forma clara e concisa. A natureza dos dados numéricos compõe-se do tipo do dado numérico (absoluto ou relativo) e do fato específico observado. A abrangência geográfica compõe-se do nome próprio do espaço geográfico de referência dos dados numéricos, complementado, quando necessário, pelos nomes das unidades políticas e administrativas de maior nível. A abrangência temporal compõe-se do ponto no tempo ou da série temporal de referência dos dados numéricos.

O título deve ser precedido da palavra Tabela, seguido de número de identificação (em algarismo arábico, de modo crescente), subordinado ou não a capítulos ou seções de um documento.

Toda tabela deve ter cabeçalho, para indicar o conteúdo das colunas, assim como indicadores de linhas, com palavras claras e concisas, e sem abreviações.

Toda tabela deve ter fonte, inscrita a partir da primeira linha do seu rodapé, para identificar o responsável (pessoa física ou jurídica) ou responsáveis pelos dados numéricos, precedida da palavra Fonte ou Fontes. Quando a tabela contiver dados numéricos extraídas de um documento, a identificação da fonte deve indicar a referência bibliográfica do documento. Quando uma tabela contiver dados numéricos resultantes de uma transformação dos dados numéricos obtidos na fonte, o responsável pela operação deve ser identificado em nota geral ou nota específica.

Uma tabela deve ter nota geral, inscrita no seu rodapé, logo após a fonte, sempre que houver necessidade de se esclarecer o seu conteúdo geral, precedido da palavra Nota ou Notas.

Uma tabela deve ter nota específica, inscrita no seu rodapé, logo após a nota geral (quando existir), sempre que houver a necessidade de se esclarecer algum elemento específico, precedido da respectiva chamada.

Toda série temporal consecutiva deve ser apresentada, em uma tabela, por pontos, inicial e final, ligador por hífen (-), e toda série temporal não consecutiva deve ser apresentada por seus pontos inicial e final ligados por barra (/), ou com todos os seus pontos não consecutivos separados por vírgula.

Na publicação do IBGE, há também orientações para a apresentação de classe de frequência e arredondamento de dado numérico.

Toda tabela que ultrapassar as dimensões de uma página deve ser apresentada em duas ou mais partes, e há orientações específicas sobre como fazer isso (p. 29-30), com a repetição dos cabeçalhos, colunas e indicadores de linha, mas a recomendação é que uma tabela seja elaborada de forma a ser apresentada em uma única página.

Recomenda-se também que as tabelas de uma publicação apresentem uniformidade gráfica, como, por exemplo, nos corpos e tipos de letras, no uso de maiúsculas e minúsculas e nos sinais gráficos utilizados. Uma opção seria a configuração gráfica do título e da fonte com espaço simples e letra tamanho 11, quando o trabalho utiliza letras com tamanho 12.

Da p. 41 a 60, há inúmeros exemplos de tabelas.

Vou continuar esta “série” com exemplos dos itens mencionados neste post e exemplos de tabelas, a resenha do livro The Visual Display of Quantitative Information, de Edward R. Tufte, além de outros posts que explorem a apresentação de figuras, quadros, gráficos, ilustrações etc. em trabalhos científicos.

Esta entrada foi publicada em Educação, Metodologia. Adicione o link permanenteaos seus favoritos.

4 respostas a Apresentação de Tabelas em Trabalhos Acadêmicos

  1. Pingback: De Mattar » Blog Archive » Ilustrações em Trabalhos Acadêmicos

  2. Encontramos este blog e gostaríamos de manter contato para troca de ideias e experiências. achamos sua iniciativa bastante importante para a disseminação e o compartilhamento de informações, no sosso caso, em relação às normas da abnt. Por favor entre no link abaixo, veja nosso blog, ainda estamos em fase de implantação e gostaríamos de receber dicas e sugestões

    http://dci.ccsa.ufpb.br/mtc/

  3. rafael disse:

    olà eu gostaria de saber se vcs tinham tabelas com dados numèricos?,para um trabalho de escola se tiver envie para mim por favor obrigado!!!

  4. João Mattar disse:

    Rafael, você encontrará tabelas com dados numéricos na Internet, o problema é saber tabelas de que você precisa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>