A Força dos Laços Fracos

GRANOVETTER, Mark S. The Strenght of Weak Ties. The American Journal of Sociology, vol. 78, n. 6, p. 1360-1380, may 1973.

Num artigo clássico, depois de algumas reflexões sobre as relações entre estudos de micro e macro relações em sociologia, Granovetter passa a explorar a força dos laços, que seria uma combinação (provavelmente linear) de: (a) quantidade de tempo, (b) intensidade emocional, (c) intimidade (de confiança mútua) e (d) serviços recíprocos que caracterizam um laço. Essas características são relativamente independentes umas das outras, apesar de o conjunto ser altamente intracorrelacionado.

Laços fortes ligam pessoas (A e B) com interesses similares que passam tempo juntas (mesmo que apenas virtualmente), o que em geral acaba levando um amigo de A com laços fortes (C), a se tornar também amigo de B, com laços fortes ou fracos.

Uma ponte seria uma linha em uma rede que fornecesse o único caminho entre 2 pontos. Uma ponte entre A e B, por exemplo, forneceria a única rota pela qual a informação ou influência pode fluir de algum contato de A a algum contato de B, e, consequentemente, de alguém conectado indiretamente a A para alguém conectado indiretamente a B. Em geral, portanto, um laço forte não é uma ponte, porque um laço forte entre C e A geraria, como vimos, algum tipo de laço entre C e B. A remoção de laços fracos, portanto, tende a causar danos a redes, porque eles são em geral os únicos pontos de contato entre vários pontos. O potencial de difusão de uma mensagem na rede é também maior se ela viajar por laços fracos, já que os laços fortes tendem a replicar a mesma mensagem mais de uma vez para as mesmas pessoas.

Aqueles com quem temos laços fracos tendem a frequentar grupos diferentes dos que frequentamos e, por isso, têm acesso a informações diferentes daquelas compartilhadas por aqueles com quem mantemos laços fortes. Os laços fracos têm também maior tendência de ligar membros de pequenos grupos distintos do que os laços fortes, que tendem a se concentrar em grupos particulares. Laços fracos são, portanto, indispensáveis às oportunidades de um indivíduo e sua integração em uma comunidade, desempenhando assim um papel de coesão social.

FacebookTwitterGoogle+Compartilhar
Esta entrada foi publicada em EaD. Adicione o link permanenteaos seus favoritos.

2 respostas a A Força dos Laços Fracos

  1. Adriana Mathias disse:

    Ocorre que convivemos com pessoas de várias formaçoes, preferencias e culturas. Uma pessoa que faz questão de se relacionar só comum tipo de pessoa, a de sua preferencia, aquela que a seu ver tem mais cultura. Perde a oportunidade de criar laços, ou seja, conhecer do mais diferentes tipos de conhecimento, perdendo a oportunidade de ter uma rica integração social.

  2. Maria Denilda da Silbva disse:

    Neste artigo podemos compreender que o laço forte diz respeito a uma determinada classe social; e o laço fraco a outra classe social; e que ambas unidas trarão desenvolvimento de aprendizagem social.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>